Como ser autêntico?

29/12/2021 às 22:32 Hipnose

Como ser autêntico?

A atual sociedade impõe diversos padrões de estética e comportamentos que dificultam o processo do indivíduo de ser ele mesmo. Você sabe o que é ser autêntico? Então vem dar uma olhada!

O que é autenticidade?

Autenticidade significa ser verdadeiramente si mesmo e ser congruente com as próprias ideias e conceitos na relação com a outra pessoa. É ser explícito aos sentimentos que surgem na relação com o outro de modo a colaborar com um melhor entendimento desse outro a respeito de si mesmo e da sua vida, emprestando sensações e sentimentos.

Características de pessoas autênticas

As pessoas autênticas tendem a ter mais confiança em si mesmas, uma confiança oriunda de se sentirem bem consigo próprias e são menos propensas a se sentir ofendidas ou ficar na defensiva. Conseguem concentrar-se no outro e possuem fortes valores próprios, reservando um tempo para pensar em como veem a vida. Por isso, são mais focadas em seus propósitos e mais abertas a ponderar. Podem compartilhar facilmente seus pensamentos e opiniões, e não temem discordâncias e discussões, pois se baseiam no autoconhecimento e podem se posicionar através de sua inteligência emocional. Por fim, tendem a ser mais generosas e aceitam seus pontos fortes e fracos, aceitando as responsabilidades por suas ações, admitindo erros e comunicando-se de forma aberta.

Por que a autenticidade vale à pena?

Compartilhar com a pessoa sentimentos e sensações verdadeiros que ela provoca no sentido de elucidar compreensão colabora com a pessoa no seu processo de mudança e crescimento construtivo. Assim, aquilo que é sentido nas entranhas do corpo e significado na consciência a partir da interação com outra pessoa é explicitado para colaborar com a pessoa no seu desenvolvimento.

A autenticidade pode gerar grandes benefícios para a sua vida, pois, promove o desenvolvimento do poder pessoal, aumenta a autoestima e inspira coragem para agir rumo ao seu propósito de vida.

E a assertividade?

Assertividade é uma das habilidades sociais, sendo a afirmação dos próprios direitos e expressar pensamentos, sentimentos e crenças de maneira direta, clara, honesta e apropriada ao contexto, de modo a não violar o direito das outras pessoas. A assertividade se coloca como a autenticidade na prática social. Pessoas com comportamento mais assertivo sentem menos ansiedade, têm maior grau de internalidade segundo o critério de locus de controle e melhor auto-estima.

Por que é difícil ser autêntico?

Ser autêntico vai além de uma decisão imediata. Envolve uma base de autoconhecimento, autoaceitação e autoconfiança, bem como um processo psíquico e cognitivo. A pressão social incentiva o conflito interno entre o que queremos e o que a sociedade espera de nós. Assim, acabamos muitas vezes tentando agradar os outros. Muitas vezes, a pessoa que não demonstra ter opinião própria ou não consegue agir contra o que é socialmente aceitável, permanece a maior parte do tempo refém do superego, estrutura psíquica que o diz para permanecer em uma posição “segura” e “aceitável”, constantemente abrindo mão dos seus desejos.

A sociedade das máscaras

Estamos acostumados a viver em um mundo de falsas aparências, que nos incentiva a não ser quem somos, tentando nos encaixar em um ideal que em muitas ocasiões não nos corresponde. Desde pequenos nos ensinam a interpretar papéis, usar máscaras para evitar conflitos ou para nos defender em ambientes hostis. São raros os momentos de incentivo para olhar para si mesmo e compartilhar com segurança isso com o outro.

Ser autêntico envolve conhecer nossas principais necessidades e supri-las, para que possamos estar em paz consigo próprias e nos promover uma boa qualidade de vida, o que só é possível retirando as máscaras para si mesmo.

O grande vilão da autenticidade

Assim, o grande vilão da autenticidade é o medo, principalmente o medo do que os outros vão pensar sobre nós, ou seja, o medo do julgamento, de que não concordem com nossos pontos de vista ou comportamentos, nos colocando expostos à críticas que pensamos não estar preparados ou dispostos a vivenciar com resiliência.

Como ser mais autêntico?

Ser autêntico ou genuíno pressupõe valorizar a própria experiência e ouvir-se no seu íntimo, deve referir-se à pessoa por inteiro e não é apenas uma técnica que pode ser aplicada, uma ação preconcebida, um conceito meramente racional, mas sim uma disposição de valor.

Assim, existem algumas dicas para tornar-se mais autêntico, embora isso nada mais seja do que ser você mesmo! Veja abaixo:

  1. Pratique a autorreflexão: priorize olhar para dentro de si mesmo e busque aceitar-se como uma pessoa única e individual, além de correlacionar isso com o que vive no seu dia a dia.
  2. Concentre-se nas suas possibilidades: metas alcançáveis bem consolidadas, a partir das quais possa reagir diante de críticas e opiniões alheias.
  3. Pratique a honestidade consigo mesmo: não há como ser honesto e transparente com o outro se não treinarmos conosco mesmos.
  4. Clareie a sua visão de mundo: primeiramente saiba quem é e quem quer ser, o que quer para si. Definindo o próprio futuro, pode-se trabalhar no hoje.
  5. Crie o hábito de ouvir as pessoas: desconectar-se um pouco de si mesmo e praticar a empatia, estando disposto a entrar em contato com ideias contraditórias pode ser útil, principalmente pois pode trazer novas opiniões.
  6. Estabeleça limites firmes: esteja seguro de quais os limites quer estabelecer nos seus relacionamentos interpessoais e profissionais.
  7. Dedique-se ao autoconhecimento.
  8. Supere o medo da rejeição: ser autêntico é enfrentar o medo de mostrar-se como realmente é.

E você, quer se qualificar para promover autenticidade e bem estar? Aprenda Hipnose Clínica sem sair de casa!

Terapeuta e hipnólogo, você busca uma ferramenta para potencializar os resultados com seus pacientes e, assim, gerar mais satisfação? Deseja ressignificar fobias e traumas? Quer utilizar os recursos da mente a seu favor? Faça nosso curso de hipnose online!

Referências:

ARAÚJO, I.C. & FREIRE, J.C. Os valores e a sua importância para a teoria da clínica da abordagem centrada na pessoa. Rev. abordagem gestalt. 2014;20(1).


Conheça mais:

Rodrigo Huback

Rodrigo Huback Head Trainer de Practitioner PNL, Master PNL, Método B2S e Hipnose Clínica

Mais de 12 anos dedicados ao desenvolvimento humano; Mais de 18 anos empreendendo em alta performance; Pedagogo; Master Trainer em PNL; Master Trainer em Coach; Membro Trainer de Excelência na NLPEA; Membro Trainer da ANLP; Trainer Comportamental; Hipnoterapeuta.


Gostou de nosso post? Compartilhe:


Todos os Direitos Reservados ®

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

OK