Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

OK

Premissa da PNL: Indivíduo não é o seu comportamento

17/07/2020 às 11:34 PNL

Premissa da PNL: Indivíduo não é o seu comportamento

A PNL, como ferramenta de desenvolvimento humano, vai muito além de protocolos prontos para serem seguidos. Quem deseja de fato alcançar a excelência humana proposta pela PNL precisa estar disposto a adquirir um novo estilo de vida que vem de uma nova mentalidade.

É isso que a PNL propõe: Uma mudança da forma de pensar sobre a vida e sobre si mesmo e, a partir desse nova mentalidade, é possível desenvolver comportamentos e atitudes que ajudem na evolução pessoal e profissional do indivíduo.

Quando se fala em desenvolvimento humano, é impossível deixar de lado as relações que temos com as pessoas à nossa volta. Por isso, a PNL nos ajuda de forma consistente a melhorar também a forma como vemos as pessoas e, consequentemente, como nos relacionamos com elas.

Neste artigo, vamos falar sobre uma premissa da PNL que aponta diretamente para a forma como interpretamos, rotulamos e - por que não dizer - julgamos as pessoas por aquilo que elas aparentam com suas atitudes ou comportamentos.

Você já julgou alguém com base em algum comportamento dessa pessoa?

Sabe aquele dia em que você acorda meio chateado (a) com alguma coisa ou está meio indisposto? Pois é. É bem provável que, em dias como esse, você se comporte de maneira diferente da habitual.

Talvez até seja um pouco desagradável com alguém, seja mais ríspido ou impaciente para responder algo que te perguntem. Enfim, internamente você sabe que não é uma pessoa desagradável ou mal-humorada, e sim, que naquele momento essa é a resposta que você está conseguindo entregar devido ao seu estado interno.

As pessoas mudam em questão de minutos, pois seus estados emocionais variam também. Nossos estados emocionais influenciam diretamente nossos comportamentos e nosso desempenho como um todo.

Quando rotulamos alguém pelo comportamento que aquela pessoa está demonstrando em determinado momento, podemos perder oportunidades, estragar relacionamentos e até mesmo ser injustos com alguém.

Só porque a pessoa está tendo um dia mal e isso está afetando seu comportamento, não significa que essa pessoa não seja alguém bom para se relacionar.

Ampliar nossa visão para entender que o indivíduo é bem mais que o seu comportamento faz de nós pessoas mais compreensivas e nos ajuda a extrair o que há de melhor nas relações, seja no âmbito pessoal ou no profissional.

Já ouviu falar sobre a premissa: O mapa não é o território? Essa é uma premissa muito valiosa na PNL. Leia o nosso artigo e saiba mais. 

Como os comportamentos são formulados?

A PNL nos ensina que nossos comportamentos são gerados internamente em nossa mente antes de se concretizarem, gerando os resultados e interpretações das pessoas. O processo de criação de um comportamento é algo que envolve diversos mecanismos neurológicos, mas vamos falar aqui de maneira bastante simples e acessível.

Quando visualizamos, ouvimos ou sentimos a realidade a nossa volta, esses sinais captados pelos nossos 5 sentidos (visão, audição, tato, paladar e olfato) são percebidos pelo nosso cérebro, que decodifica essa realidade, atribuindo a ela um sentido, um significado.

Partindo desse significado, nossos sentimentos são acionados. Podemos nos sentir bem ou mal a partir de uma interpretação que temos da realidade e é com base nesse “sentir” que vamos formular e executar nossas ações.

Com base nesse raciocínio, chegamos à conclusão que os comportamentos são nada mais, nada menos do que a resposta do indivíduo à interpretação que ele criou da realidade - seja realidade externa ou da própria realidade interna dele.

Tendo isso em mente, podemos ampliar nossa percepção sobre os comportamentos das pessoas, entendendo que o indivíduo é muito mais do que aquilo que ele expressa em determinada circunstância.

Pense bem sobre isso. Alguma vez você já esteve em algum contexto difícil e ficou travado quando, na verdade, precisava ter se mostrado mais desenvolto? E se naquele momento você tivesse sido rotulado como alguém incapaz? Seria justo? Não mesmo.

Por isso precisamos estar sempre abertos a conhecer as pessoas mais a fundo, lhes dando a oportunidade de expressar suas qualidades e seus pontos de melhoria sem julgamentos precipitados.

Em um bom curso de PNL, você irá aprender mais sobre os sentidos, os seus significados e respostas a comportamentos.

Quais as lições que podemos extrair dessa premissa?

  • Evite julgar ou rotular as pessoas de forma precipitada.
  • A primeira impressão não precisa ser aquela que permanece. Dê uma segunda chance às pessoas.
  • Seja compreensivo. Você também tem seus momentos de limitações e isso não diminui o seu valor.
  • Seja paciente consigo mesmo. Só porque você não agiu da melhor forma numa determinada situação, não significa que você não seja capaz de fazer melhor.
  • O valor de uma pessoa vai além daquilo que ela demonstra numa determinada circunstância.

Se você acompanha nossos posts aqui no blog do IBND, já deve ter percebido a quantidade de valiosas lições que podemos aprender com cada conceito da PNL.

Se você se interessa por esse conhecimento e deseja ver na prática os efeitos da PNL na sua vida, conheça as formações do IBND na área de PNL.

Seja você também um praticante dessa técnica que tem transformado a vida de milhares de pessoas, levando-as a novos patamares da excelência humana. Converse com nossos consultores e saiba mais.


Conheça mais:

Rodrigo Huback

Rodrigo Huback Head Trainer de Practitioner PNL, Master PNL, Método B2S e Hipnose Clínica

Mais de 10 anos dedicados ao desenvolvimento humano; Mais de 15 anos empreendendo em alta performance; Pedagogo; Master Trainer em PNL; Master Trainer em Coach; Membro Trainer de Excelência na NLPEA; Membro Trainer da ANLP; Trainer Comportamental; Hipnoterapeuta.


Gostou de nosso post? Compartilhe:


Todos os Direitos Reservados ®