Devaneio excessivo: o que é, sintomas, teste e tratamento

20/04/2022 às 17:56 PNL

Devaneio excessivo: o que é, sintomas, teste e tratamento

Quem nunca sonhou acordado ou ficou perdido em pensamento algum momento da vida, não é mesmo? Isso é completamente normal e, até certo ponto, saudável. Contudo, quando os devaneios tornam-se excessivos é preciso prestar atenção, pois as fantasias podem estar sendo usadas como um mecanismo de escape. 

No conteúdo de hoje do IBND (Instituto Brasileiro de Neurodesenvolvimento) falaremos sobre um transtorno recém-descoberto e que ainda vem sendo estudado em baixa escala: o chamado devaneio excessivo ou maladaptative daydream, em inglês. 

O que é o devaneio excessivo?

Também conhecido como transtorno de devaneio, o devaneio excessivo descreve uma condição em que uma pessoa experimenta com regularidade devaneios tão intensos onde, de fato, o indivíduo pode deixar de realizar suas tarefas do dia a dia para sonhar acordado. 

Esses devaneios podem ser desencadeados por eventos da vida real ou estímulos, como ruídos, cheiros, filmes, músicas e tópicos de conversa.

Os sonhadores podem se dissociar da realidade para se absorver completamente em seu devaneio e podem, sem saber, representar o comportamento ou falar o diálogo como se estivesse participando na vida real daquilo que está sendo sonhado. 

Em geral, os conteúdos do devaneio são ricamente detalhados e com enredos fantásticos muito bem pensados e estruturados. 

Atualmente, o devaneio excessivo não é categorizado no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5). No entanto, sabe-se que este transtorno pode afetar a vida diária da pessoa.

Os sintomas que levantam suspeitas para o devaneio excessivo

Uma pessoa com devaneios excessivos pode experimentar um ou mais dos seguintes sintomas:

  • devaneios extremamente vívidos com seus próprios personagens, cenários, enredos e outros recursos detalhados e semelhantes a histórias;

  • devaneios desencadeados por eventos da vida real;

  • dificuldade em completar tarefas diárias e procrastinação;

  • insônia;

  • desejo irresistível de continuar sonhando acordado;

  • realização de movimentos repetitivos, expressões faciais e falas enquanto sonha;

  • sonhar acordado por longos períodos (até mesmo algumas horas);

  • angústia e culpa significativa após os devaneios;

  • consciência de que o mundo de fantasia interno difere da realidade externa.

O que há por trás dos devaneios excessivos?

Muitos psiquiatras e psicólogos acreditam que indivíduos diagnosticados com o transtorno de devaneio excessivo, podem desenvolver este “hábito” de sonhar acordado por vivenciarem traumas de infância, tal como maus-tratos ou falta de apoio familiar. 

Pacientes com depressão, assim como aqueles com transtorno obsessivo-compulsivo e transtorno de personalidade limítrofe, também podem apresentar transtornos de devaneio excessivo. 

Da mesma forma, também é possível observar que algumas pessoas com autismo também têm tendência a esse tipo de situação. Apesar de não existir qualquer comprovação de que o autismo, esquizofrenia ou qualquer outra doença mental provoque o transtorno de devaneio.

Eu sou um devaneador excessivo? Faça o teste e descubra!

Responda às perguntas a seguir com honestidade e vá anotando suas respostas em um papel: 

Você já passou horas sem fazer nada além de sonhar acordado?

  1. Sim, frequentemente.

  2. Não, ocasionalmente.

  3. Raramente.

Você acha que sonha demais?

  1. Sim, acho que sonho acordado muito mais que o normal e isso me preocupa.

  2. Sim, acho que sonho acordado mais do que a média.

  3. Não, acho que meus devaneios estão na média.

Seus devaneios interferem no seu sucesso profissional/acadêmico?

  1. Sim, muitas vezes prefiro adiar obrigações para poder devanear.

  2. Sim, ocasionalmente procrastinado para sonhar acordado.

  3. Não, meus devaneios não interferem no meu sucesso profissional e acadêmico.

Seus devaneios interferem em suas relações sociais?

  1. Sim, muitas vezes prefiro sonhar acordado do que interagir socialmente.

  2. Às vezes eu sonho acordado ao invés de interagir.

  3. Nunca deixe de interagir para devanear.

Quanto um evento real interrompe seus devaneios, quão forte é seu desejo de retornar a esse devaneio o mais rápido possível? 

  1. Muito forte, quase incontrolável.

  2. Eu tenho vontade, mas não é tão forte.

  3. Normalmente não sinto vontade de voltar aos devaneios.

Se você passar por um período de tempo em que não consegue sonhar acordado tanto quanto de costume, você se sentiria angustiado?

  1. Sim, eu me sentiria muito angustiado.

  2. Um pouco angustiado.

  3. Não, eu não sentiria angústia. 

Os devaneios que o preocupam são desencadeados por música, livros, filmes ou qualquer outro tipo de mídia?

  1. Sim!

  2. Às vezes.

  3. Normalmente, não. 

Você se envolve em movimentos repetitivos enquanto sonha acordado (tocar os dedos, andar de um lado para o outro, girar, etc.)?

  1. Sim, sempre que devaneio.

  2. É frequente, mas nem sempre acontece.

  3. Normalmente, não. 

Você está emocionalmente ligado aos seus devaneios/personagens em seus devaneios?

  1. Sim, seria muito difícil deixá-los ir.

  2. De certa forma, sim.

  3. Não, são apenas devaneios.

Se a maioria das suas respostas forem condizentes com as opções 1 e 2, é muito possível que você seja um devaneador excessivo. 

Mas, e agora, o que eu faço? Existe tratamento para o devaneio excessivo? 

Por se tratar de um transtorno descoberto recentemente, ainda não existe um tratamento específico para o devaneio excessivo. Contudo, algumas dicas compartilhadas em grupos que debatem o tema podem ajudá-lo; confira a seguir!

  • Busque ter uma noite de sono de qualidade. Estudos indicam que uma qualidade de sono ruim pode gerar devaneios mais frequentes, além de prejudicar a memória, a atenção e aumentar devaneios intrusivos.

  • Envolva-se em atividade durante o dia. Manter a cabeça ocupada é uma das formas mais eficientes de não dar brecha aos devaneios. 

  • Conte quantas vezes você devaneia para reduzir a frequência dos episódios. É bem difícil simplesmente acabar com as fantasias, por isso, concentre as energias em contar quantas vezes isso acontece em um determinado período e tentar diminuir esse número com o tempo. 

  • Escreva um diário para manter o foco. Muitos usuários de fórum online sobre o assunto, afirmam que escrever sobre a fantasia ajuda a desacelerar a mente e viver no presente. 

  • Transforme seus devaneios em algo produtivo. Sempre que uma fantasia cativante se repetir, tente concretizar o sonho em realidade. 

  • Procure grupos na internet para trocar informações. Esse transtorno ainda está nas fases iniciais em termos de conscientização, pesquisa e tratamento. A maneira mais fácil de falar sobre o seu caso e conseguir dicas valiosas é em sites criados por pessoas que também sofrem disso.

Dica bônus IBND: aposte na terapia hipnótica!

Muitas das pessoas que desenvolvem o transtorno de devaneio excessivo, o fazem por conta de algum trauma do passado. Neste sentido, a hipnose pode ajudar a encontrar a causa que levou a pessoa a preferir se recolher em seus devaneios ao invés de viver a vida real. 

A hipnose é eficiente para curar traumas e serve como instrumento de apoio ao tratamento de muitas doenças psicossomáticas.  

Se você quiser aprender mais sobre hipnose, convidamos você a conhecer outros artigos que temos em nosso blog, além do curso de hipnose que já formou centenas de profissionais em todo o Brasil!


Conheça mais:

Rodrigo Huback

Rodrigo Huback Head Trainer de Practitioner PNL, Master PNL, Método B2S e Hipnose Clínica

Mais de 12 anos dedicados ao desenvolvimento humano; Mais de 18 anos empreendendo em alta performance; Pedagogo; Master Trainer em PNL; Master Trainer em Coach; Membro Trainer de Excelência na NLPEA; Membro Trainer da ANLP; Trainer Comportamental; Hipnoterapeuta.


Gostou de nosso post? Compartilhe:


Todos os Direitos Reservados ®

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

OK