A teoria do cérebro trino: o cérebro sob uma nova perspectiva.

28/05/2021 às 01:12 PNL

A teoria do cérebro trino: o cérebro sob uma nova perspectiva.

Teoria desenvolvida pelo médico neurocientista norte-americano Paul D. MacLean lá em 1952, a teoria do cérebro trino é tida como desatualizada pelos cientistas mais recentes. Porém, não podemos negar que ela foi à base teórica cientifica para desenvolver o que hoje conhecemos como neurociência.

Esta teoria expõe que os seres humanos, bem como os primatas, têm o cérebro dividido em três unidades diferentes. Segundo MacLean, estas unidades se desenvolvem em diferentes momentos do nosso ciclo evolutivo.

Desta forma, a parte mais antiga e primitiva do cérebro humano teria seu desenvolvimento ainda no útero, enquanto o cérebro emocional se organizaria nos primeiros seis anos de vida, e o córtex pré-frontal se desenvolve ainda mais adiante.

As unidades do cérebro trino: reptiliano, límbico e neocórtex

Logicamente, os estudos no campo da neurociência já comprovaram que existem muitas mais divisões no cérebro humano. Contudo, neste artigo do IBND (Instituto Brasileiro de Neurodesenvolvimento) vamos nos apegar a estrutura resumida do nosso cérebro, ou seja, a estrutura do cérebro trino.

O cérebro reptiliano

Conhecido como o mais antigo cérebro animal, a unidade reptiliana do cérebro trino fica localizado no tronco cerebral, acima da medula espinhal que dá acesso ao crânio. Sendo a parte mais primitiva do ser humano, o cérebro reptiliano é o primeiro a ser desenvolver quando ainda estamos dentro do útero de nossa mãe.

Ele é responsável basicamente por oferecer tudo que um recém-nascido precisa para sobreviver: respirar, comer, dormir, acordar, chorar, urinar, defecar e assim por diante.

Ou seja, o cérebro reptiliano é o que chamamos de cérebro instintivo, pois tem como função a garantia da sobrevivência.

Todavia, o nome desta unidade cerebral que faz referência direta aos répteis tem sido questionada por algumas linhas de neurocientistas e hoje esta denominação usada por MacLean já não é mais usada na neurociência.

O cérebro límbico

Também podendo ser chamado de cérebro emocional, a unidade límbica do cérebro trino localiza-se no centro do Sistema Nervoso Central (SNC), e começa a se desenvolver logo após o nascimento do bebê, formando-se por completo em função da experiência, composição genética e temperamento inato da criança.

O cérebro límbico é nada mais nada menos que o “centro de gerenciamento” de todas as nossas emoções: raiva, alegria, tristeza, medo, etc.

Pessoas que, por exemplo, viveram e enfrentaram situações traumáticas registram a ameaça internamente, porém, muitas vezes a mente consciente age como se nada tivesse acontecido. Mas, apesar desta negação, os sinais de alarme do corpo como elevação do ritmo cardíaco não param e o cérebro emocional continua funcionando.

O cérebro Neocórtex

Se a unidade límbica é responsável por nossas emoções, cabe ao cérebro neocórtex à racionalidade. Por isso, esta unidade do cérebro trino também é conhecida como o cérebro racional e, portanto, é este sistema que nos diferencia do restante dos animais.

Localizado no córtex pré-frontal, o neocórtex é o encarregado por planejamentos, antecipação, percepção do tempo, percepção de contexto, inibição de ações inadequadas, compreensão empática e tudo aquilo que é muito racional.

Muitas vezes, o cérebro racional inibe a ação do cérebro emocional. Por isso, é comum que pessoas que passam por situações traumáticas não tenham reações emocionais, mas tenham facilidade em explicar o que aconteceu externamente ao invés de internamente.

O cérebro neocórtex ocupa apenas 30% do crânio e se dedica ao mundo exterior. Por este motivo, este cérebro  equilibra o limite entre os impulsos e o comportamento social aceitável, nos ajudando a manter relações harmônicas, evitando ações negativas e regulando impulsos como fome, sexo, tristeza, etc.

O cérebro trino na perspectiva da Programação Neurolinguistica (PNL)

Após o trabalho de MacLean acerca do cérebro trino, muitas pesquisas e estudos se sucederam confirmando que o cérebro reptiliano é o que mais influencia as demais unidades cerebrais. Mas o que isso significa na prática?

No campo externo, esta descoberta evidencia que nossa linguagem corporal influencia muito mais em nossa imagem do que a linguagem verbal, afinal, o cérebro reptiliano é o responsável por movimentos voluntários como respiração, postura, andar, dentro outros aspectos neurolinguistico.

E tal conceito, se bem aplicado, pode ser de grande utilidade para o nosso autoconhecimento pessoal e, por consequência, para conhecer melhor aos outros, pois permite um mapeamento humano que pode ser utilizado para identificar estados emocionais, racionais e irracionais, tanto de nossos familiares, amigos, clientes, colegas de trabalho, etc.

Quer saber mais sobre este assunto e as demais ferramentas e técnicas que são estudadas dentro da PNL? Faça sua inscrição hoje mesmo no curso de pnl do IBND e domine este campo de estudo que visa, entre outras coisas, o desenvolvimento pessoal, uma comunicação mais assertiva e um comportamento mais empoderado.


Conheça mais:

Rodrigo Huback

Rodrigo Huback Head Trainer de Practitioner PNL, Master PNL, Método B2S e Hipnose Clínica

Mais de 12 anos dedicados ao desenvolvimento humano; Mais de 18 anos empreendendo em alta performance; Pedagogo; Master Trainer em PNL; Master Trainer em Coach; Membro Trainer de Excelência na NLPEA; Membro Trainer da ANLP; Trainer Comportamental; Hipnoterapeuta.


Gostou de nosso post? Compartilhe:


Todos os Direitos Reservados ®

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

OK