Você tem medo de altura? Aprenda a se livrar desta fobia.

24/11/2021 às 10:36 Hipnose

Você tem medo de altura? Aprenda a se livrar desta fobia.

Você tem medo de altura? Vamos lhe apresentar algumas situações bastante comuns de quem sofre com esta fobia:

Só de pensar em viajar de avião você sente calafrios pelo corpo todo? 

Entrar num elevador, principalmente aqueles com vidro transparente, lhe parece uma situação tão assustadora que você preferiria subir até o vigésimo andar de escada?

Atravessar um ponte com vários carros passando é um desafio para você?

Andar de montanha russa ou fazer uma trilha para chegar ao topo de uma montanha, por exemplo, é uma situação que você jamais encararia?

Para quem tem medo de altura, os exemplos dados acima poderiam ser cenas de um filme de terror, afinal, para estes indivíduos estar num lugar muito mais alto do que nossos pés conseguem tocar não é uma situação nada fácil de se encarar.

E sim, este medo de altura é uma fobia que precisa ser tratada, assim como outras fobias mais comuns sobre as quais já tratamos aqui no blog do IBND (Instituto Brasileiro de Neurodesenvolvimento). 

Ao medo de altura dá-se um nome: acrofobia!

O nome cientifico usado por psicólogos e terapeutas para definir o medo de altura é acrofobia, de origem grega. “Acro” de altura e “fobia” de medo ou aversão. 

Sem dúvidas, ter receio de ficar em lugares altos é comum a qualquer pessoa. Contudo, para quem sofre de acrofobia, uma situação como esta provoca um medo excessivo, que pode se agravar e provocar ataques de pânico. 

Quando se trata de fobia, o medo de altura tem alto potencial para prejudicar a vida da pessoa. Podendo comprometer a saúde emocional e até mesmo a qualidade de vida, incluindo ainda consequências sociais e profissionais. 

Ao estar em um lugar alto, quem sofre de acrofobia pode apresentar sintomas como:

  • Tontura e vertigem;

  • Suor excessivo;

  • Aumento da frequência cardíaca;

  • Fortes dores de cabeça;

  • Náuseas;

  • Falta de ar;

  • Tensão muscular.

É interessante lembrar que uma pessoa acrofóbica pode sentir os sintomas listados acima mesmo quando não há um contato real com o medo — lembrar, imaginar ou visualizar uma foto que remeta àquela situação pode ser um gatilho para a manifestação dos sintomas. 

Quais as potenciais causas para o medo de altura?

De forma geral, uma fobia pode ter inicio na infância, adolescência ou nos primeiros anos da idade adulta. As causas podem estar relacionadas a traumas de infância, experiências estressantes ou eventos que tenham sido assustadores para o indivíduo. 

O nosso cérebro consegue armazenar situações passadas traumáticas. Deste modo, se passamos por uma experiência e, depois de muito tempo, experimentamos algo parecido, esta área cerebral recupera a memória estressante e a corpo tende a reagir/ 

A seguir, veja algumas possíveis causas que podem desencadear a acrofobia:

Traumas do passado

O medo de altura pode ser desencadeado por experiências traumáticas dos nossos primeiros anos de vida, tais como quedas de locais altos. Ao viver um trauma ou observar uma situação de outra pessoa ao ser submetida a alturas elevadas, o medo pode se instalar e persistir na vida adulta se transformando na acrofobia.

Exposição 

Algumas pessoas podem desenvolver a fobia de altura ao estarem em locais altos e, principalmente, desprotegidos (sem grades de proteção, por exemplo). Isso se dá tanto pelo medo de queda, como pelo medo de não se controlar e se jogar lá de cima.

Razões emocionais 

Se negar a liberdade e espontaneidade são alguns dos sentimentos que podem estar por trás do medo de altura. 

A acrofobia, entre outros medos, podem estar atrelados à necessidade de desenvolver autoconfiança. Por este motivo, o medo de altura pode ter razões de fundo psicológico e emocional que ficam ocultos no inconsciente, e que só podem ser descobertos com terapia ou durante uma sessão de hipnose.

As consequências negativas no cotidiano

A acrofobia pode causar muitos danos, seja em aspecto social, emocional e profissional. Desta forma, o medo de altura pode impôr limites na realização de tarefas simples do dia a dia como dirigir em um ponte, trocar uma lâmpada ou andar de elevador. 

Ademais, esta fobia pode prejudicar a carreira profissional do indivíduo, uma vez que haverá restrições quanto aos destinos profissionais. Muitas oportunidades podem ser perdidas quanto o profissional se recusa a andar de avião ou fazer reuniões em escritórios altos, por exemplo.  

Como a hipnoterapia trata o medo de altura?

Atualmente, a acrofobia encontra-se no ranking dos transtornos de ansiedade e, se não controlada, pode comprometer a qualidade de vida do sujeito. Quando estes transtornos se tornam graves e tomamos consciência deste fato, é essencial buscar ajuda e estar disposto a colaborar com o tratamento. 

A hipnoterapia (ou hipnose clínica) é uma modalidade terapêutica bastante eficaz no tratamento de fobias, uma vez que utiliza técnicas hipnóticas para descobrir as causas, as memórias e os sentimentos relacionados ao medo de altura que, na maioria das vezes, encontra-se a nível inconsciente. 

Durante as sessões de hipnoterapia, o cliente é levado a trabalhar mentalmente o enfrentamento das situações e ambientes que o levam ao descontrole, por meio de imagens mentais.

Em poucas sessões, a hipnose clínica consegue trazer inúmeros benefícios ao cliente e contribuir na superação da acrofobia!

Quer se especializar no assunto? Conheça a formação em hipnose do IBND!


Conheça mais:

Rodrigo Huback

Rodrigo Huback Head Trainer de Practitioner PNL, Master PNL, Método B2S e Hipnose Clínica

Mais de 12 anos dedicados ao desenvolvimento humano; Mais de 18 anos empreendendo em alta performance; Pedagogo; Master Trainer em PNL; Master Trainer em Coach; Membro Trainer de Excelência na NLPEA; Membro Trainer da ANLP; Trainer Comportamental; Hipnoterapeuta.


Gostou de nosso post? Compartilhe:


Todos os Direitos Reservados ®

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

OK