Vício em internet

26/08/2021 às 20:25 Hipnose

Vício em internet

Milhares de pessoas utilizam a internet diariamente para obter informações, trabalho e diversão. Mas você sabe quando o uso da internet se torna um vício? Dá só uma olhada!

Crescimento do uso da internet

Um grande avanço tecnológico tem ocorrido nas últimas décadas, principalmente no que tange ao avanço eletrônico e informáticos, a internet e os jogos eletrônicos, que se tornam cada vez mais populares. O videogame se tornou uma das principais e mais importantes atividades de lazer para crianças e adolescentes. A internet é utilizada amplamente por pessoas de todas as idades e todos os estratos socioeconômicos no mundo todo. Além de favorecer a comunicação e a busca de informações, a internet se tornou uma importante ferramenta de contato social, e seus benefícios são relatados até por indivíduos mais tímidos e introvertidos, sendo importante recurso de ajuda. O uso excessivo da internet, no entanto, é uma das principais queixas dos mais velhos ou pais preocupados com seus filhos ao referirem aumento do isolamento social e piora nos rendimentos escolares e acadêmicos.

Histórico

A primeira caracterização do vício na internet surgiu em 1995, através do psiquiatra americano Ivan Goldberg. Instrumentos surgiram para estabelecer um parâmetro, tais como aqueles utilizados pelo DSM-V em “dependência de substâncias” que surgiram como um esboço conceitual a respeito do vício.

Vício em internet

O vício ou adicção à internet pode ser vista como um vício especificamente psicológico (como vício em sexo, em compras, em jogos de vídeo e outros) com particularidades comuns a outros tipos de dependência, tais como, a perda de controlo, sintomas de abstinência, forte dependência psicológica, interferência na vida diária e perda de interesse noutras atividades.

Também tem sido caracterizado pelo uso mal-adaptativo que pode causar danos clinicamente significativos na vida da pessoa. Estudos definiram o fenômeno como um padrão comportamental envolvendo a experiência do craving (do inglês: desejo, súplica) disfuncional em relação ao uso da internet por períodos de tempo excessivos sem autorregulação por parte do indivíduo, resultando em significativos prejuízos psicológicos, sociais e funcionais. Ou seja, o indivíduo dependente da internet gasta um tempo total diário notável em atividades on-line que não são essenciais, desenvolvendo um afastamento dos contatos sociais fora da internet, uma distorção dos seus objetivos pessoais e dos seus interesses e uma perda do rendimento académico e/ou laboral. A maioria dos indivíduos com adicção na internet foram diagnosticados com transtornos do controle do impulso.

Uso problemático da internet

O uso problemático da internet pode ser dividido entre específico ou generalizado. No âmbito específico se refere ao uso excessivo de funções específicas de conteúdos da internet, tais como jogar ou ver material on-line de cariz sexual, mas estas problemáticas comportamentais podem manifestar-se de forma alternativa se o indivíduo for incapaz de aceder à internet. Já em seu lado generalizado, situa-se o uso não-específico e multidimensional da internet que resulta em consequências negativas para o indivíduo.

Indivíduos com uso problemático da internet possuem pensamentos e comportamentos mal-adaptativos relacionados aos relacionamentos, sendo que indivíduos que sofra de problemas psicossociais tenderá a desenvolver percepções negativas das suas competências sociais, levando-o à preferência do estabelecimento de vínculos sociais online, ao invés de vínculos cara a cara, o que leva o indivíduo a se autorregular de forma deficiente no que diz respeito à interação social.

A dependência de internet

A dependência de internet pode ser encontrada em qualquer faixa etária, nível educacional e estrato socioeconômico. De início, acreditava-se que esse problema era privilégio de estudantes universitários que, buscando executar suas atribuições acadêmicas, acabavam por permanecer mais tempo do que o esperado, ficando enredados na vida virtual. Entretanto, tais pressuposições mostraram ser pura especulação. Sabe-se, hoje, que à medida que as tecnologias invadem progressivamente as rotinas de vida, o contato com o computador cada vez mais deixa de ser um fato ocasional e, portanto, o número de atividades mediadas pela Internet aumenta de maneira significativa, bem como o número de acessos e tempo medido na população brasileira que, atualmente, ocupa o primeiro lugar no mundo em termos de conexão doméstica (à frente dos americanos e japoneses).

Critérios diagnósticos

A partir dos critérios diagnósticos propostos por Young para a dependência da internet, observa-se a necessidade da presença de pelo menos cinco ou mais dos seguintes:

  1. Preocupação excessiva com a internet;
  2. Necessidade de aumentar o tempo conectado (online) para ter a mesma satisfação;
  3. Exibir esforços repetidos para diminuir o tempo de uso da internet;
  4. Presença de irritabilidade e/ou depressão;
  5. Quando o uso da internet é restringido, apresenta labilidade emocional (internet como forma de regulação emocional);
  6. Permanecer mais conectado (online) do que o programado;
  7. Trabalho e relações sociais em risco pelo uso excessivo;
  8. Mentir aos outros a respeito da quantidade de horas online.

Benefícios da internet

No entanto, a internet não deve ser vista como uma ferramenta a ser criticada como viciante, pois possibilita a rapidez na comunicação, possui caráter interativo e é um apoio à aprendizagem. A internet tornou-se uma ferramenta importante no contexto social dos mais velhos, influencia seu bem estar e usam a internet para ampliar seu apoio social, reduzindo a solidão, melhorando a qualidade de vida e a satisfação com a vida, resiliência, além de obterem melhorias em sua saúde mental.

Os estudantes são os principais usuários que utilizam a internet com propósitos educacionais, acesso a periódicos online, aprendizagem de idiomas, pesquisa acadêmica, navegação em bibliotecas virtuais e também para lazer e socialização, podendo resultar até mesmo no estabelecimento de relacionamentos. Ademais, a internet se tornou uma plataforma de busca de ajuda em saúde, fazendo a ponte entre o usuário e o profissional da saúde ou terapeuta. Por fim, a internet tem sido um meio de obter mais satisfação de vida entre cidadãos de baixos níveis econômicos e/ou pessoas que sofram de problemas de saúde e que interferem com o funcionamento normal em seu dia a dia.

E você, ficou interessado em capacitações em saúde biopsicossocial? Aprenda Hipnose Clínica sem sair de casa!

Terapeuta e hipnólogo, você busca uma ferramenta para potencializar os resultados com seus pacientes e, assim, gerar mais satisfação? Deseja ressignificar fobias e traumas? Quer utilizar os recursos da mente a seu favor? Faça nosso curso de hipnose online!

Referências:

ABREU, C.N. et al. Dependência de internet e de jogos eletrônicos: uma revisão. Rev. Bras. Psiquiatr. 2008;30(2).

FERNANDES, B. et al. Adição à internet ou uso problemático da internet? Qual dos termos usar? Psicol. USP. 2019;30.


Conheça mais:

Rodrigo Huback

Rodrigo Huback Head Trainer de Practitioner PNL, Master PNL, Método B2S e Hipnose Clínica

Mais de 12 anos dedicados ao desenvolvimento humano; Mais de 18 anos empreendendo em alta performance; Pedagogo; Master Trainer em PNL; Master Trainer em Coach; Membro Trainer de Excelência na NLPEA; Membro Trainer da ANLP; Trainer Comportamental; Hipnoterapeuta.


Gostou de nosso post? Compartilhe:


Todos os Direitos Reservados ®

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

OK