O que é musicoterapia?

11/07/2021 às 20:42 Hipnose

O que é musicoterapia?

Práticas alternativas de saúde têm sido implementadas até mesmo pelo Sistema Único de Saúde e vêm cada vez mais sendo buscadas como tratamento complementar ao tradicional. Você sabe o que é musicoterapia? Dá uma olhada!

Música e saúde

Uma das principais intervenções terapêuticas e complementares, a utilização da música para fins de tratamento tem sido utilizada principalmente em hospitais para reduzir os efeitos da hospitalização. A música visa trazer qualidade de vida e bem estar do sujeito, promovendo uma série de alterações físicas, mentais e sociais, que acabam repercutindo em tratamentos.

As intervenções terapêuticas que usam elementos sonoros têm como pressuposto de que o conjunto de sons inseridos em determinado ambiente influenciam o comportamento das pessoas presentes.

A música, a partir de seus aspectos emocionais, atua como forma de comunicação, produz sentimentos variados e pode trazer sensação de conforto a quem ouve, além de induzir o indivíduo à percepção de si em sua singularidade.

O que é musicoterapia?

Alguns autores afirmam que a musicoterapia é a utilização de sons e elementos para facilitar e promover ganhos terapêuticos. Elementos como o som, ritmo, melodia e harmonia são aplicados por um musicoterapeuta qualificado, visando promover a comunicação, relação, aprendizagem, mobilização, expressão, organização e outros objetivos terapeuticamente relevantes, no sentido de alcançar necessidades físicas, emocionais, mentais, sociais e cognitivas.

Seus procedimentos e métodos variam conforme a linha, abordagem, objetivos de terapia e necessidades individuais da pessoa ou grupo atendido. As experiências musicais variam entre audição, recriação, improvisação e composição, que podem ser aplicadas juntas ou separadamente. É uma intervenção preventiva, de desenvolvimento e restauração das funções e potenciais do indivíduo, a partir do processo musicoterapêutico, na qual o paciente se manifesta por meio da música, dos sons, da voz, do corpo e dos instrumentos musicais.

A musicoterapia é uma intervenção humanizada que pode se adequar a diversos públicos e faixas etárias, desde a infância, período caracterizado pela presença do lúdico em boa parte do cotidiano. Dentre as características da musicoterapia, podemos destacar:

  • Possui formação própria em diversos níveis acadêmicos;
  • Possui referencial teórico próprio, com disciplinas além da música, voltadas para a prática do cuidado, tais como a neurologia, a psicopatologia, a psiquiatria, a psicologia da música, a neurociência e outras;
  • Possui uma escuta treinada para perceber e reconhecer a subjetividade do cliente, intervindo quando necessário;
  • Utiliza instrumentos de trabalho próprios, trabalhando com todo material sonoro (ruídos, som ambiente, de objetos e não só a música propriamente dita);
  • Possui um conceito de música diferente do conceito de música para um músico.

A comunicação verbal e não verbal, a técnica da mão-sobre-a-boca e a música são alternativas no controle de crianças em consultório odontológico. A música é utilizada nas clínicas por profissionais como estratégia para melhorar o bem-estar do paciente, podendo ser uma alternativa para reduzir a ansiedade e proporcionar um ambiente relaxante e confortável para a criança, reduzindo os níveis de cortisol.

Como atua o musicoterapeuta?

Dentro da musicoterapia, o musicoterapeuta pode intervir de forma direta ou indireta, ou seja, definirá as atividades da sessão e o momento dessas atividades, ou aguarda a iniciativa do paciente para, então, definir as ações e intervenções. É possível que ele utilize ambos os processos em momentos diferentes de uma mesma sessão.

Dessa forma, a musicoterapia é uma ciência e também uma profissão específica, contendo técnicas terapêuticas de uso privativo do musicoterapeuta regulamentado, trabalhando de forma interdisciplinar como sua característica estrutural e utilizando-se mais ou menos os instrumentos psicológicos.

O musicoterapeuta se insere como um participante da equipe multiprofissional e pode contribuir com o tratamento não-medicamentoso. Sua atuação é ampla, atendendo desde crianças até idosos.

Atividades na musicoterapia

As atividades propostas pelo musicoterapeuta podem incluir cantar, tocar instrumentos musicais, compor, improvisar com a voz, ouvir música e realizar jogos musicais. O profissional trabalha para a organização e estabelecimento de limites, desenvolvimento das habilidades perceptivas e cognitivas, estimulação das habilidades sensório-motoras, aumento da atenção, diminuição da dor em pacientes hospitalares, além de trabalharem com intervenções de estimulação precoce.

A musicoterapia valoriza o que a pessoa consegue fazer musicalmente, e busca estimular a atuação dela a partir do que expressa. Instiga o uso de instrumentos, do canto, do corpo como instrumentos sonoros e a percepção e apropriação dos sons que envolvem o ambiente. Há um incentivo para a mobilização e postura ativa do paciente ou do grupo.

Eficácia da musicoterapia

Diversos estudos demonstram a eficácia da música como intervenção em saúde, para auxílio no processo de enfrentamento da criança frente à hospitalização e seus desdobramentos, em pacientes oncológicos, na educação e em várias outras possibilidades. Sua contribuição é reconhecida em diversos contextos hospitalares, desde a internação, hospital dia e serviços ambulatoriais, sendo eficaz para reduzir os efeitos da hospitalização e influenciando diretamente na qualidade de vida do paciente.

A musicoterapia já foi utilizada como recurso terapêutico em guerras, como tratamento para amenizar a dor e aumento da resiliência, e com recém nascidos prematuros, sendo eficaz para reduzir a pressão arterial, melhorar a frequência cardíaca e respiratória, além da temperatura corporal.

E você, gostaria de aprender novas abordagens em saúde? Aprenda Hipnose Clínica sem sair de casa!

Terapeuta e hipnólogo, você busca uma ferramenta para potencializar os resultados com seus pacientes e, assim, gerar mais satisfação? Deseja ressignificar fobias e traumas? Quer utilizar os recursos da mente a seu favor? Faça nosso curso de hipnose online!

Referências:

ANJOS, A.G. et al. Musicoterapia como estratégia de intervenção psicológica com crianças: uma revisão da literatura. Rev. Interinst. Psicol. 2017;10(2).

DORO, M.P. et al. Psicologia e musicoterapia: uma parceria no processo psicoativo dos pacientes do Serviço de Transplante de Medula Óssea. Rev. SBPH. 2015;18(1).

JUNIOR, H.A. Eficácia terapêutica da música: um olhar transdisciplinar de saúde para equipes, pacientes e acompanhantes. Revista Enfermagem UERJ. 2018.

OLIVEIRA, M.F. et al. Musicoterapia como ferramenta terapêutica no setor da saúde: uma revisão sistemática. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2014;12(2).

PIMENTEL, A.F. et al. A musicoterapia na sala de espera de uma unidade básica de saúde: assistência, autonomia e protagonismo. Interface. sem data.

PINHEIRO, S.L. A música é uma alternativa não farmacológica para redução dos níveis de ansiedade em crianças durante o tratamento odontológico. Press Releases. 2020.

ZANINI, C.R.O. et al. O efeito da musicoterapia na qualidade de vida e na pressão arterial do paciente hipertenso. Arq. Bras. Cardiol. 2009;93(5).


Conheça mais:

Rodrigo Huback

Rodrigo Huback Head Trainer de Practitioner PNL, Master PNL, Método B2S e Hipnose Clínica

Mais de 10 anos dedicados ao desenvolvimento humano; Mais de 15 anos empreendendo em alta performance; Pedagogo; Master Trainer em PNL; Master Trainer em Coach; Membro Trainer de Excelência na NLPEA; Membro Trainer da ANLP; Trainer Comportamental; Hipnoterapeuta.


Gostou de nosso post? Compartilhe:


Todos os Direitos Reservados ®

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

OK