Escrita e a memória

25/07/2021 às 19:52 Hipnose

Escrita e a memória

Com a evolução da espécie humana, o registro escrito de informações antes passadas apenas pela oralidade foi crescendo e se tornou uma das principais fontes de comunicação interpessoal. Você conhece os benefícios da escrita para a memória e cognição? Dá uma olhada!

A escrita

A escrita consiste no uso de símbolos para exprimir ideias humanas. A grafia é considerada uma tecnologia da comunicação, historicamente criada e desenvolvida pela sociedade humana e, basicamente, consiste em registrar marcas em um suporte (pedras, cavernas, papéis). Tais instrumentos para escrever podem, em princípio, ser infinitos, embora tradicionalmente se conceba a escrita como uma fala volátil, e os instrumentos, suportes e formas de circulação, além de sua função comunicativa, são determinantes para sua durabilidade ou não.

A escrita é um meio de representação onde registra-se a linguagem falada com grande precisão através de sinais visuais regularmente dispostos. Existem dois tipos principais de escrita, a baseada em ideogramas que representam conceitos, e a baseada em grafemas, que representam a percepção dos sons ou grupos de sons, sendo uma escrita alfabética.

As escritas mais antigas datam dos hieróglifos onde observa-se o uso de pictogramas e ideogramas. Nos tempos modernos a escrita hieroglífica tem sido deixada de lado e foi substituída pela escrita em grafemas e ideogramáticas, ou seja, cujos sinais representam conceitos e ideias.

Por quê escrever?

Traduzir uma experiência em linguagem escrita é uma maneira de torná-la mais visível, mais palpável, mais compreensível. Tal exercício pode trazer melhorias na memória de trabalho, aumentando a capacidade de pensar em mais do que uma coisa de cada vez. Nesse processo, as conexões sociais também podem ser aperfeiçoadas, porque os indivíduos aguçam sua capacidade de concentração, neutralizando ideias fixas e perturbadoras, autocentradas e que, muitas vezes, insistem em povoar o pensamento.

No entanto, nem todas as pessoas têm facilidade ou propensão para a escrita. Na realidade, muitas pessoas não conseguem se expor ao processo de escrita, vendo-o como algo embaraçoso, perturbador e assustador. Por isso, é importante lembrar que não existe um jeito “certo” para expressar suas emoções através da escrita.

Escrita e memória

A escrita auxilia nos processos de consolidação das memórias no cérebro, o qual define quais informações são importantes para a vida e que servirão de posterior comparação. A carga emocional das informações registradas na memória possuem influência direta na fixação da memória. A intensidade com que revivemos as situações na escrita contribuirá para que ela seja mantida a longo prazo.

Além disso, repetir informações ajuda o cérebro a consolidar os circuitos nervosos para reforçar o armazenamento das informações. Um estudo realizado nos Estados Unidos verificou que os objetivos a serem realizados quando escritos manualmente em uma lista, são mais propensos a serem realizados, do que os objetivos mantidos apenas “na cabeça”.

Escrita terapêutica

A escrita é utilizada há milênios para explorar e expressar emoções. Recentemente pesquisas têm fornecido evidências de que a saúde pode ser influenciada quando as pessoas transformam seus sentimentos e pensamentos em palavras grafadas. A escrita traz benefícios para a melhora de sintomas clínicos e pode possuir função catártica, com potencial de remissão e controle de sintomas.

Na psicologia moderna, a expressão de emoções é tida como útil para o indivíduo sob uma vasta gama de condições. As emoções provocadas por conflitos e traumas, quando não descarregadas através da expressão, permanecem presas no corpo, ocasionando diversos problemas.

Se as emoções forem liberadas através da expressão, como na escrita por exemplo, sua força é dissipada e os sintomas atrelados a ela são aliviados ou podem até mesmo desaparecer, e os impactos nocivos sobre a saúde podem ser neutralizados. Dessa forma, o interesse terapêutico pela escrita expressiva tem ampliado em algumas abordagens que veem a expressão como fundamental. A proposta é colocar os pensamentos, sentimentos e comportamentos ocorridos sobre diversos acontecimentos em palavras, semelhante à manutenção de um diário.

Escrita expressiva

Nas intervenções de escrita expressiva, os participantes são convidados a escrever de 15 a 30 minutos, em três a cinco dias consecutivos, sobre traumas específicos ou eventos emocionalmente significativos, como o fim de um relacionamento, a presença em um evento catastrófico ou a perda de um emprego.

Dessa forma, escrever sobre experiências, sentimentos e pensamentos pode ter grande valor terapêutico, auxiliando a fazer reflexões que aumentem a resiliência do indivíduo. Essa experiência permite ao indivíduo olhar a mesma situação sob vários ângulos, ao invés de transferir a culpa ou responsabilidade para evento ou pessoa externa.

Assim, a escrita pode ter inúmeros benefícios à cognição e à saúde do indivíduo. Escrever força o cérebro a processar informações de uma maneira mais detalhada, o que ajuda aquela informação a ser completamente arquivada na memória.

Importância da escrita

A escrita é a linha divisória entre a pré-história e a história moderna. Sua importância histórica e a conservação de registros vem do fato de que estes permitem o armazenamento e a propagação de informações, não só entre indivíduos, mas também por gerações. Veja como tornar a escrita parte de sua vida:

  1. O que escrever e quando: Para angariar os benefícios da escrita para a memória e a saúde em geral, tudo o que você precisa fazer é escrever as coisas à mão com maior frequência. Não significa que você tem que escrever tudo, pois isso seria cansativo, mas é possível criar estratégias para lembrar aquilo que você realmente precisa.
  2. Crie uma lista de tarefas: uma forma de começar a escrever à mão e aprimorar sua memória é iniciar uma lista de coisas a fazer no dia, na semana e no mês.
  3. Formule uma lista de objetivos: outra ideia simples para começar a escrever é anotar seus objetivos, tanto pessoais ou profissionais, aquilo que você busca realizar para ter maior qualidade de vida e se sentir realizado.
  4. Registre aprendizados: ao assistir vídeos, aulas online e podcasts, anote as principais informações aprendidas ao longo da atividade para memorizar o que foi importante para você.

E você, gostaria de conhecer mais ferramentas terapêuticas e outras formas de ajudar pessoas? Aprenda Hipnose Clínica sem sair de casa!

Terapeuta e hipnólogo, você busca uma ferramenta para potencializar os resultados com seus pacientes e, assim, gerar mais satisfação? Deseja ressignificar fobias e traumas? Quer utilizar os recursos da mente a seu favor? Faça nosso curso de hipnose online!

Referências:

ADÃO, A.N. A ligação entre memória, emoção e aprendizagem. EDUCERE. 2013.

BENETTI, I.C. & OLIVEIRA, W.F. O poder terapêutico da escrita: quando o silêncio fala alto. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental. 2016;8(19).


Conheça mais:

Rodrigo Huback

Rodrigo Huback Head Trainer de Practitioner PNL, Master PNL, Método B2S e Hipnose Clínica

Mais de 12 anos dedicados ao desenvolvimento humano; Mais de 18 anos empreendendo em alta performance; Pedagogo; Master Trainer em PNL; Master Trainer em Coach; Membro Trainer de Excelência na NLPEA; Membro Trainer da ANLP; Trainer Comportamental; Hipnoterapeuta.


Gostou de nosso post? Compartilhe:


Todos os Direitos Reservados ®

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

OK