Alzheimer: saiba mais

31/07/2021 às 23:44 Hipnose

Alzheimer: saiba mais

Uma doença comumente mencionada nos meios de comunicação, estima-se que cerca de 4 milhões de pessoas sofram de Alzheimer na América do Sul. Você provavelmente já ouviu essa palavra em telejornais, revistas ou até mesmo dentro de casa. Mas o que é o Alzheimer?

O que é Alzheimer?

O Alzheimer é classificado como uma doença degenerativa do cérebro que geralmente acomete pessoas com idade mais avançada, principalmente pessoas entre 50 e 90 anos, sendo mais raro ou aparecendo em menor frequência em outras faixas etárias. É considerado a doença neurodegenerativa mais comum em humanos, levando a uma demência progressiva e seus sinais podem aparecer progressivamente com a idade, dando sinais tímidos no início e consequências mais severas com o tempo. Atacando o cérebro e as funções cognitivas dos indivíduos, especificamente a memória, o raciocínio, aspectos motores e a atenção, o Alzheimer é considerado a causa mais comum de demência, responsável por 50% a 75% de todos os casos. É uma doença que causa também dano ao comprometimento cognitivo e, consequentemente, alterações motoras e funcionais que impactam diretamente a qualidade de vida e longitude das pessoas.

Pessoas com Alzheimer podem ter dificuldade para desempenhar as funções diárias básicas de autocuidado e tarefas domésticas, uma fonte de grande baixa na qualidade de vida e em seu bem estar, pois passam a depender de seus cuidadores até mesmo para levantar da cama, já que a doença se agrava com o passar do tempo.

Sintomas do Alzheimer?

Por ser uma doença que envolve os idosos, alguns sintomas podem ser interpretados como típicos dessa etapa da vida, tais como: perda da concentração, problemas psicomotores e de linguagem, danos ao falar e caminhar. Sinais que podem ser confundidos com o processo natural do envelhecimento. Com o tempo, os sintomas da doença de Alzheimer se mostra a pessoa apresentando acentuação na memória imediata, ou seja, as memórias recentes. O vocabulário se mostra prejudicado de maneira habitual, a pessoa acaba esquecendo o que queria dizer e há a falta de repertório próprio. A maioria das pessoas com Alzheimer utiliza frases curtas, evitando conversas longas com frases. Com a evolução da doença de Alzheimer, a queda do movimento psicomotor chega e a pessoa com diagnóstico tem dificuldade para se vestir e manusear objetos, como também fazer as necessidades fisiológicas sozinha.

Diagnóstico do Alzheimer

Por ser uma doença degenerativa, não há exame único para o diagnóstico, ele se baseia em exclusão de outras doenças, através de exames de sangue e de imagem (ressonância magnética e/ou tomografia computadorizada), e também com entrevista médica, anamnese e avaliação neuropsicológica. As pessoas diagnosticadas com a doença de Alzheimer que estão no início dos sintomas geralmente são cuidados por seus familiares mais próximos em casa e recebem algumas visitas médicas. Quando há necessidade de mais cuidado, há o pedido de ajuda de um cuidador para melhorar a qualidade de vida da pessoa com diagnóstico da doença, auxiliando em situações de alimentação, vestimenta, incontinência fisiológica, entre outros. Podem também ter mais frequência nas visitas ao hospital e maior incidência hospitalizações, tanto para consultas como emergências como queda e sentimentos de tristeza por estarem com o diagnóstico de uma doença crônico-degenerativa e prejuízos em sua rotina e qualidade de vida.

Tratamento multidisciplinar

Uma equipe multidisciplinar se considera essencial para a pessoa com Alzheimer e também para o cuidador, principalmente no que concerne à sua saúde biopsicossocial e resiliência. É preciso inserir um profissional da área psicológica, para integrar os cuidados com a atenção aos sentimentos, as emoções e as atitudes.

Hoje em dia, com a medicina avançada há medicações que podem contribuir para atrasar o desenvolvimento da doença de Alzheimer, oferecendo mais alívio, tempo e qualidade de vida a pessoa e a família. Um outro fator que pode contribuir para retardar o avanço é atribuir características saudáveis ao estilo de vida, desenvolver a neuroplasticidade cerebral através de atividades neuroprotetoras para a memória, atenção e raciocínio. Envolver o pensamento com atividades intelectuais como exercícios mentais e programas de readaptação cognitiva também se mostraram efetivos para reduzir os sintomas. Preservar laços próximos pode contribuir para uma saúde mental saudável, fortalecer vínculos interpessoais nas relações sociais e familiares. Uma dieta balanceada também pode contribuir para o retardo da doença, tais como consumir mais alimentos naturais, como na dieta mediterrânea e alimentação com alimentos ricos em ômega 3, em conjunto com atividades aeróbicas e alongamento para alívio e melhorar o bem estar geral.

Cannabis medicinal para Alzheimer

Recentemente, pesquisas têm demonstrado os benefícios do uso medicinal da cannabis para tratamento de doenças neurodegenerativas como o Alzheimer, a demência, a esclerose múltipla, os transtornos do espectro autista e o Parkinson. A planta possui diversos princípios ativos, conhecidos como fitocanabinoides, sendo os mais conhecidos o THC e o Canabidiol. O primeiro pode atuar como psicoativo, dependendo da quantidade administrada do medicamento.

O tratamento com a planta medicinal têm se mostrado eficaz para reduzir a anorexia, as perturbações no comportamento, a agitação noturna e pode retardar ou prevenir a progressão do Alzheimer. Além disso, seus princípios ativos podem evitar o estresse oxidativo, a neuroinflamação e os danos neurais, protegendo neurônios e promovendo sua renovação celular, diminuição do estresse, da ansiedade, agressividade, depressão e dor. Dessa forma, o uso de cannabis para pacientes com doenças crônicas e degenerativas tem sido uma grande esperança para o alívio e prevenção de seus sintomas.

E você, gostaria de se capacitar para promover mais saúde e bem estar em seus pacientes? Aprenda Hipnose Clínica sem sair de casa!

Terapeuta e hipnólogo, você busca uma ferramenta para potencializar os resultados com seus pacientes e, assim, gerar mais satisfação? Deseja ressignificar fobias e traumas? Quer utilizar os recursos da mente a seu favor? Faça nosso curso de hipnose online!

Referências:

NARANJO-HERNANDEZ, Y. & PEREZ-PRADO, L. Cuidado del paciente con enfermedad de Alzheimer. AMC. 2021;25(1).

MELO, S.C. et al. Demências no Brasil: aumento da carga no período de 2000 a 2016. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2020;78(12).

FETER, N. et al. Quem são as pessoas com Doença de Alzheimer no Brasil? Resultados do Estudo Longitudinal da Saúde dos Idosos Brasileiros. Rev. bras. Epidemiol. 2021.

GLISOI, S.F.N. et al. Variáveis psicomotoras, cognitivas e funcionais em idosas saudáveis e com doença de Alzheimer. Fisioter. Pesqui. 2021;28(1).


Conheça mais:

Rodrigo Huback

Rodrigo Huback Head Trainer de Practitioner PNL, Master PNL, Método B2S e Hipnose Clínica

Mais de 12 anos dedicados ao desenvolvimento humano; Mais de 18 anos empreendendo em alta performance; Pedagogo; Master Trainer em PNL; Master Trainer em Coach; Membro Trainer de Excelência na NLPEA; Membro Trainer da ANLP; Trainer Comportamental; Hipnoterapeuta.


Gostou de nosso post? Compartilhe:


Todos os Direitos Reservados ®

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

OK